O AUTOR

“EU, IVO” foi um dos primeiros blogues do escritor Ivo Rocha da Silva. O espaço, que contabiliza hoje 5 milhões de visitas, encontra-se desactivado. Visite “UM CADERNO ONLINE” e descubra dezenas de textos do autor.

UM CADERNO ONLINE // WEBSITE // FACEBOOK // FÁBRICA DOS IDEALISTAS


BIO

Nasceu e cresceu na modesta Covilhã do século XX, cidade reclinada na encosta da Serra da Estrela. Desde cedo revelou grande interesse pelas artes, dedicando especial atenção à literatura.

Aos vinte e seis anos, Ivo Rocha da Silva é escritor, estudante de Comunicação na Universidade da Beira Interior, co-fundador e presidente da BRID.JE – Junior Enterprise, um projecto inovador de estudantes da UBI. É co-fundador e ex-director adjunto do Jornal de Belmonte. Está a concluir o certificado internacional em Coaching e colabora com várias publicações periódicas, enquanto cronista.

Publicou “Universus da Poesia” (2014; co-autor; poesia; Editora Universus), “Entre o Sono e o Sonho IV” (2015; co-autor; poesia; Chiado Editora), “Um mistério na Quinta da Ribeira Azul” (2015; infanto-juvenil; Alfarroba Edições), um volume da colecção “O Clube do Livro dos Mistérios”, e “Anjos que tombam do céu” (2015; romance; Alfarroba Edições).

É autor do argumento do filme “A Paixão do Operário”, realizado por João M2 Inácio e produzido pela M4M Productions em 2016.

Nas horas livres pratica desporto, lê e viaja, por prazer e a título académico, efectuando pesquisas históricas com regularidade. Entende a viagem como uma busca incessante de inspiração para novos cenários e enredos. Nas suas palavras, só através do conhecimento de novas culturas garante que será sempre um contador de histórias sem limitações.  Entre referências literárias destaca Agatha Christie, principal fonte de inspiração, entre nomes tão abrangentes como Fernando Pessoa, Arthur Conan Doyle, Herbert Adams, Paulo Coelho, José Cardoso Pires, Daniel Silva, Machado de Assis, José Hermano Saraiva, Enid Blyton e Alice Vieira. Um lema de vida? Criou-o no auge da sua inspiração literária: “Se queres mesmo, não hesites. Avança de peito aberto, mostra-lhes a moral com que vais!”