Literatura. “Um brinde à morte” de Agatha Christie

Li pela primeira vez “Um brinde à morte” há quatro anos, em Aveiro. É uma história fascinante e misteriosa, que deixa, para quem quiser responder, a seguinte pergunta: “Quando existe amor, existem limites para a loucura?” Mais um grande policial da melhor escritora de livros do género do século passado. Passei as últimas noites a reler e algo me diz que não será a última vez que o faço. Aconselho energicamente.

“Seis pessoas sentam-se numa mesa posta para sete no restaurante Luxembourg. Em frente ao lugar vazio está um ramo de rosmaninho, em homenagem a Rosemary Barton, que morreu nessa mesma mesa há exactamente um ano atrás. Um sentimento estranho paira no ar, tendo em conta que ninguém esquecerá tão cedo aquela noite e a agonia de que foram testemunhas: o belo rosto de Rosemary contorcido em espasmos, irreconhecível.
Mas Rosemary era uma mulher impossível de esquecer. Ela tinha a capacidade de despertar fortes paixões entre as pessoas que conhecia. Paixões essas que poderão ter ditado a sua morte…

“Um brinde à morte” (Sparkling Cyanide) foi originalmente publicado no Reino Unido em 1945, ano em que apareceria também nos Estados Unidos, sob o título “Remembered Death”. Foi adaptado à televisão em 1983 e 2003.

Um pensamento sobre “Literatura. “Um brinde à morte” de Agatha Christie

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s